No Balcão do Quiosque

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

ISSO DÓI SIM!



A dor emocional dói tanto quanto a dor física! Ela dilacera nosso coração, causa uma ferida na alma e mata os nossos melhores sonhos.  É uma dor eminente esmagando nossos sentimentos, nossas vontades, um fogo consumindo nosso interior, uma inquietação no espírito. Essa  dor é a famosa desilusão.
A sociedade não liga muito para esse tipo de dor. Insensíveis seguem seus rumos, olham a casca e não veem que por dentro a gente tem uma hemorragia... Ainda servimos de chacota para os fofoqueiros dos corredores, para a língua peçonhenta da tia beata e para colegas que têm inveja do que você viveu... Cada desilusão é um pedaço de nós que vai embora, dói tanto, que quase sentimos nossa vida se esvair pelos poros.
E quem faz sofrer? Geralmente segue seu caminho indiferente, se sentindo livre, leve e solto, achando que se livrou de uma... Uma o que mesmo? Bem... Você foi atropelada por um condutor do amor, ficou estatelada no chão da amargura, sangrando copiosamente, gemendo de dor, e ele insensivelmente continuou o caminho da felicidade sem olhar pra trás, não prestou socorro, não teve tato, apenas seguiu... Quando você foi atropelada, o mundo ainda era cor de rosa, agora parece roxo, igualzinho os hematomas que ficaram na alma
A dor é de montão, os conselhos que não queremos são mais ainda! Queremos tempo pra curar a dor de cotovelo, a amargura, o vazio existencial, o medo de tentar novamente, a dificuldades em aceitar o fim, o descrédito e a autoestima temporariamente em baixa. Queremos tempo para perdoar quem nos causou essa enorme dor, e precisamos de tempo para digerir o sentimento que não passa de uma hora pra outra... Mastigar, mastigar, mastigar... Engolir, ruminar... E na calada da noite novamente mastigar... No tempo certo vai ser digerido facilmente, mas há um tempo!
Vai bater o desespero, o choro, a dificuldades de sorrir, o sarcasmo, o desânimo, a desesperança... Ainda assim, acredite na poesia que há na vida, e repinte seu arco-íris, refaça seus projetos, trace metas, busque outras canções, reformule seus conceitos, reflita sobre suas verdades, sonhe com coisas inefáveis, aprenda a se amar totalmente,se permita, seduza e acima de tudo, mesmo que mancando, se arrastando, gemendo pelo caminho, siga em frente, pois a vida é maravilhosa e um minuto é muito pra sofrer por quem não te merece. Infelizmente, vai ter que perder o tempo necessário pra sentir a dor, para cartasear o sofrimento, ou ele se tornará crônico.
Marly Bastos

9 comentários:

Patty disse...

NOSSA, SABIA QUE ESTÁ PARECENDO MINHA PSIOCLOGA FALANDO?/

EU AMO ISSO, APRENDENDO COM CADA TOMBO, LEVANTANDO E DANDO MAIS TROMBADA MAS SEMPRE SEGUINDO EM FRENTE, E NÃO CHORANDO POR AQUELES QUE NÃO MERECEM.

BJS E ADOREI PASSAR POR AQUI.

PATTY.

João Esteves disse...

Você discorre muito bem sobre esse tema. Há o prazer de ler seu texto, e um convite a reflexões, a ações, tudo muito interessante. "A sociedade não liga muito para esse tipo de dor". Estranho, mas parece que é isso mesmo. Lembrei uma canção de Luis Melodia chamada Dores de Amores. e nela ele diz, a certa altura: "Eu morro de amores/Eu preciso aprender". Tudo de bom pra você, Marly.

✿ chica disse...

Falaste muito bem. Quando chega a dor , dar o tempo para ela , sentí-la e depois, pouco a pouco ela se retira, aparece novamente a poesia da vida... beijos,chica

Ana Bailune disse...

O mais incrível de tudo, é que, no fundo, bem lá no fundo, sabemos quando uma pessoa vai nos causar dor. Mas negamos. Aceitamos a ilusão, convidando, assim, a desilusão para nossas vidas. Mas se prestarmos bastante atenção, existe um sininho emocional que toca, lá dentro, quando nos aproximamos destas pessoas. Mas na maioria das vezes, estamos tão preocupados em procurar nela toda a maravilha que irá preencher nosso vazio emocional do momento, precisamos tanto da ilusão de que seremos salvos, que não escutamos o aviso do sininho!

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Marly
A dor emocional muitas vezes dói mais que a dor física, pois para dor física compra-se remédio na farmácia, e a emocional não.
Obrigado pela visita e pelo carinho
Bjux

#*Marly Bastos*# disse...

Obrigada queridos pelos comentários, e é um prazer tê-los por aqui.
bjks doces.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Venho desejar a si e sua Família
um FELIZ NATAL.
Bj.Irene Alves

Jaime Guimarães disse...

"A sociedade não liga muito para esse tipo de dor."

Estou quase me convencendo de que não liga NADA para esse tipo de dor, porque assim que a sofremos - e quem nunca sofreu? - chegam aqueles conselhos de sempre e que não queremos, como "a fila anda" ou, pior, "isso é frescura", "tanto homem/mulher no mundo", etc, etc...

Acontece que nesta sociedade hedonista, o "sofrer" é quase proibitivo. As pessoas precisam estar "alegres e felizes" o tempo todo - ou ao menos demonstrar isso.

E só o tempo vai colocar tudo nos eixos...

Abs! Bom final de semana! :)

Artes e escritas disse...

O amor é um aprendizado, a dor também. Desejo um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo à você e à sua família. Um abraço, Yayá.