No Balcão do Quiosque

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Missiva aos Quiosqueiros

São Paulo, 27 de dezembro de 2012


Aos meus colaboradores, amigos e seguidores do Quiosque do Pastel





É com grande alegria que fechamos mais um ano de plena atividade aqui em nossa casa de crônicas.
Conquistamos mais leitores e abraçamos novos escritores e isso faz do blog uma "blogoteca",  daquelas bem divertidas, coloridas, sérias, inovadoras, culturais, cotidianas, poéticas e todos os etecéteras que quiserem agregar.

Aqui somos todos estrelas e é nesse clima de luz que deixo uma mensagem de um ano novo recheadinho de surpresas e muitas conquistas de sucesso para todos que aqui vierem. Seja lá qual for a intenção: para ler, pra escrever, para comentar, para seguir e sobretudo para RENOVAR a interação adquirida nesses anos.

Grata a todos que aceitaram meu convite e que aqui deixaram um pouco de si em forma de parágrafos inseridos nas histórias, sentimentos, poemas, lembranças e toda sorte de expressão.

Grata aos leitores e comentaristas e também àqueles que chegam de mansinho observando,  e que  ficam a ler em sigilo.

Meu muito obrigada especialmente aos meus colaboradores que nesse finzinho de ano deram um UP ao blog, colorindo suas páginas.

Desejo a todos um ano de paz e que possamos nos unir  ainda mais nesta casa que prima pela cultura e interação.

A UNIÃO FAZ A FORÇA E A DIFERENÇA!

Feliz 2013

Tim Tim!!




Lu Cavichioli


terça-feira, 18 de dezembro de 2012

SÃO PAULO ANTIGA E AGORA!

Sei que sou suspeita em falar de São Paulo, mas não resisto, amo o Brasil, várias cidades maravilhosas, nem precisavamos sair do nosso País para nos encantarmos com tanta beleza.

E acredito e sei que São Paulo é a mescla de todas as cidades do nosso País e de fora, tanto na gastronomia, na cultura, nos modelitos de roupas , e diversão garantida 24 horas, gastando pouco ou muito.

Mas um email que recebi a 2 semanas que eu gostei muito, foram de algumas imagens de lugares mais populares que frequento muito, imagens de quase 100 anos atrás, E OUTRAS MAIS RECENTES.




Fique animada em dividir com  meus amigos.

COMEÇANDO PELA AVENIDA MAIS FAMOSA DA CIDADE


AV; PAULISTA EM 1975
(Sou completamente apaixonada por ela, amo ter que ir andar nela, mas a pé, não de carro no trãnsito)
 
AV: PAULISTA EM 2011

RUA AUGUSTA EM 1971

 
                                                  RUA AUGUSTA EM 2012 A NOITE
(Do lado Jardins é linda para sair a noite, mas o lado centro é bom só de dia, a noite é um horror)
 
 
                                                                  RUA DO BRÁS 1950
                                            

      (Fico doida com essa rua, facilidade de comprar roupas e inacreditável, eu enlouqueço)
                
                                                                RUA DO BRÁS 2012
 
ESPLANADA DO TRIANOM EM 1915 ANTES DA CONSTRUÇÃO DO MASP
                                                      TRIANON MASP HOJE EM 2012

               (A ultima vez que fui lá faz uns 2 mêses para ver as obras de CARAVAGGIO)
 
AV: DOM  PEDRO1 E AO FUNDO VISTA DO MUSEU DO IPIRANGA
                                                       
                                                              AV: DO PEDRO EM 2012
(já peguei muito transito voltando do trabalho nesta avenida,mas o museu eu amo ir lá andar de bicicleta)

 
 
EM 1903 RUA FLORÊNCIO DE ABREU
                                                     
                                                     RUA FLORÊNCIO DE ABREU 2012
(Adoro ir nesta rua para comprar Flores,montar vasos, enfeites, tenho um caminho que corto pelo shopping da 25 é ligeirinho)

 
 
 
 
E FINALMENTE O ANTIGO SALÃO DO AUTOMÓVEL COM UM  LANÇAMENTO DA VOLKSVAGEM EM 1969 O VW MAIS POPULARMENTE CONHECIDO COMO O ZÉ DO
 
CAIXÃO
 
SALÃO DO AUTOMÓVEL EM 2012 ( e pensar que já trabalhei nisso, aff, odiei)
 
ESPERO QUE TODOS PAULISTAS E NÃO PAULISTAS TENHAM GOSTADO DAS IMAGENS, SÓ QUIS PRESENTEA LOS  COM UMA EVOLUÇÃO DE UMA TERRA QUE NÃO PARA, E PARA QUEM NÃO CONHECE QUE SEJAM  MUITO BEM VINDOS!
 
BJS NO CORAÇÃO DE TODOS DA PAULISTANA PATTY.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

ISSO DÓI SIM!



A dor emocional dói tanto quanto a dor física! Ela dilacera nosso coração, causa uma ferida na alma e mata os nossos melhores sonhos.  É uma dor eminente esmagando nossos sentimentos, nossas vontades, um fogo consumindo nosso interior, uma inquietação no espírito. Essa  dor é a famosa desilusão.
A sociedade não liga muito para esse tipo de dor. Insensíveis seguem seus rumos, olham a casca e não veem que por dentro a gente tem uma hemorragia... Ainda servimos de chacota para os fofoqueiros dos corredores, para a língua peçonhenta da tia beata e para colegas que têm inveja do que você viveu... Cada desilusão é um pedaço de nós que vai embora, dói tanto, que quase sentimos nossa vida se esvair pelos poros.
E quem faz sofrer? Geralmente segue seu caminho indiferente, se sentindo livre, leve e solto, achando que se livrou de uma... Uma o que mesmo? Bem... Você foi atropelada por um condutor do amor, ficou estatelada no chão da amargura, sangrando copiosamente, gemendo de dor, e ele insensivelmente continuou o caminho da felicidade sem olhar pra trás, não prestou socorro, não teve tato, apenas seguiu... Quando você foi atropelada, o mundo ainda era cor de rosa, agora parece roxo, igualzinho os hematomas que ficaram na alma
A dor é de montão, os conselhos que não queremos são mais ainda! Queremos tempo pra curar a dor de cotovelo, a amargura, o vazio existencial, o medo de tentar novamente, a dificuldades em aceitar o fim, o descrédito e a autoestima temporariamente em baixa. Queremos tempo para perdoar quem nos causou essa enorme dor, e precisamos de tempo para digerir o sentimento que não passa de uma hora pra outra... Mastigar, mastigar, mastigar... Engolir, ruminar... E na calada da noite novamente mastigar... No tempo certo vai ser digerido facilmente, mas há um tempo!
Vai bater o desespero, o choro, a dificuldades de sorrir, o sarcasmo, o desânimo, a desesperança... Ainda assim, acredite na poesia que há na vida, e repinte seu arco-íris, refaça seus projetos, trace metas, busque outras canções, reformule seus conceitos, reflita sobre suas verdades, sonhe com coisas inefáveis, aprenda a se amar totalmente,se permita, seduza e acima de tudo, mesmo que mancando, se arrastando, gemendo pelo caminho, siga em frente, pois a vida é maravilhosa e um minuto é muito pra sofrer por quem não te merece. Infelizmente, vai ter que perder o tempo necessário pra sentir a dor, para cartasear o sofrimento, ou ele se tornará crônico.
Marly Bastos

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

♥ UFA!!! ♥




Beto e Lavínia esperavam seu primeiro filho.

Faltavam poucos meses para que pudessem ver a carinha linda, como imaginavam, de sua filhinha, Bárbara.

Preparativos sendo alinhavados, enxoval quase pronto. Simples, mas feito com o maior carinho.

Roupinhas cheirosinhas esperavam, ainda encaixotadas para um dia serem colocadas na gavetinha da bebê.  Faltava apenas o lugar para elas.

Eles tinham à disposição, pouco espaço no sótão da casa da mãe de Beto, D.Sofia, que tentava ajudar ao máximo, porém em troca dessa ajuda, achava-se no direito de intrometer-se na vida do casal.

Havia sido uma grande ajuda recebida, não ter que pagar aluguel, o que proporcionou economizar permitindo a compra de sua casinha própria. Isso, além,claro, do nascimento de Sofia, era  o que mais sonhavam e desejavam no momento.

Passavam os dias e Lavínia por vezes ficava desanimada.

Sua sogra , nessas horas,dizia:

_ Não vejo motivo nenhum para vocês ficarem tristes  por ainda não ter sido aprovado o empréstimo para a casa nova. Isso é bobagem!
 AQUI vocês tem de tudo , não gastam nada e ainda estamos juntos,não é Beto? -Diz a  sogra, indo em direção ao "filhinho adorado",que retribui, meio sem jeito, pois bem sabia o que Lavínia pensava...

Os dias se passavam ,a barriguinha crescia e Lavínia e Beto ao voltar do trabalho conversavam muito sobre planos e expectativas.

Isso, claro, quando não eram interrompidos pela D.Sofia. Ela, sempre ela!!!  Ufa!!! 

Certo dia, Beto recebe um comunicado do banco. O empréstimo havia sido liberado...

Radiante, liga para Lavínia e conta a maravilhosa novidade...

Agora, era tudo questão apenas de detalhes que, foram resolvidos logo, com a maior celeridade.

Finalmente, recebem as chaves. Momentos de alegria.

Logo, entram na casinha, simples, pequena , mas do tamanho ideal para eles. 

Abrem uma janela, onde será o quartinho da bebê . Diante dela, unem as mãos ao alto, em forma de telhado.
Falam então, mãos ainda unidas e olhos nos olhos :

Obrigado, Senhor!
Sob o teto desse nosso telhadinho pretendemos viver na maior paz e amor... Permita-nos mais essa alegria!

 Saem dali, radiantes, vão de peça em peça e em cada uma delas, sonham como será dentro de algum tempo...Imaginam, viajam mobiliando  cada cantinho.

Mas, por ora, nela entrarão entre coisas pessoais, apenas com um fogão, uma geladeira, uma cama velha de casal e um berço para Bárbara.

Logo, pouco a pouco, com trabalho e esforço tudo conseguirão.  O alicerce ,que é o amor, já  estava presente ...

Barbara nasce, é hoje uma menininha linda em seus três aninhos.

A vovó Sofia, recebe o carinho do filho, nora e netinha.Mas felizes estão todos, cada um no seu cantinho...

E a cada  alegria, lembram daquele momento de união de mãos ao alto,que é desde então, uma marca registrada de suas vidas!



E é com esse texto que desejo, desde já, aos amigos que por aqui passarem, um lindo e abençoado NATAL e que 2013 chegue sorrindo para todos e assim permaneça!

beijos,obrigado pelos carinhos,chica

domingo, 2 de dezembro de 2012

Discos de Vinil




DISCOS DE VINIL


Ontem foi dia de faxina aqui em casa. Aproveitei o dia de sol e vento para escancarar portas e janelas. Troquei os móveis da sala de posição, pus colchas, cobertores e edredons ao sol, arejei tapetes. 
No armário sob a escada, acabei deparando com meus discos de vinil. Meus velhos discos de vinil...



Apesar de não ser do tipo que gosta de acumular velharias, jamais consegui 'dar um fim' nos meus discos e no antigo toca-discos. Acho que devo ter uns cento e cinquenta vinis, incluindo os que meu marido trouxe quando nos casamos. 



Tenho a coleção completa do Queen, alguns do Nazareth, uma porção de temas de novelas - que tem músicas que, somente nos raros momentos quando as escutamos no rádio, nos lembramos que elas existem, e que trazem uma porção de lembranças - Supertramp, temas de filmes, Chico Buarque, Caetano, Bethânia... achei também um disco do Bad Company, "Rough Diamonds" que é do meu marido. 



Quando ele chegou, à noite, após certificar-se de que tinha entrado na casa certa (tudo diferente), subimos para o quarto de hóspedes, onde acomodamos nosso velho toca-discos, e após fazer os devidos testes para saber se o aparelho ainda funcionava, tocamos o disco do Bad Company. Era quase meia-noite. Foi como se estivéssemos em um daqueles espaços alternativos entre o sonho e a realidade, o passado e o futuro. Uma zona morta. De repente, tínhamos dezessete, dezoito anos.



Lembrei-me de que no começo do nosso namoro, fiquei vários dias de cama com uma infecção de garganta, e ele levou aquele disco para eu ouvir. É engraçado, o quanto a música é capaz de marcar os momentos na vida de uma pessoa...



Estamos pensando em transformar aquele quarto em um 'espaço vintage', levando para lá nossos vinis. Já temos lá um aparelho de TV que tem mais de vinte anos de idade. 



É fatal. Estamos começando a envelhecer!