No Balcão do Quiosque

segunda-feira, 10 de maio de 2010

O Borrateiro

Eu tinha uns...sei lá, doze, quatorze anos. Foi no casamento de meu primo mais velho Mozart, com uma "nãosei" chamada Rosa. Aliás, um doce de pessoa. O casamento seria em São paulo, terra que minha tia Preciosa adotou desde moça e onde criou seus dois filhos, meus primos. Minha família, toda carioca, partiu do Rio em caravana para a grande festa matrimonial. Chegamos na casa de meu primo, no bairro de Cidade Dutra, praticamente ao mesmo tempo. E isso no dia do casamento, o que deve tê-lo atrapalhado bastante, pois receber toda uma tropa de farofeiros e se casar no mesmo dia, deve ser algo complicado. Algo que meu primo fez com tranqüilidade. 
...Mas veio o casório e em seguida os comes e bebes. A melhor parte estava reservada para o dia seguinte.

O pai da Rosa, um agricultor japonês (esse mesmo é que "nãosei" a denominação), quis fazer uma recepção para toda a família, em sua chácara no interior do estado. Lá ele mostraria um pouco da cultura japonesa, principalmente a culinária. Confesso que minha família, toda ela habitante do subúrbio carioca de quarenta, cinquenta...oitenta e tantos anos atrás, não tinha muita noção de que se comia peixe cru no Japão. Hoje a coisa mudou muito...restaurantes espalhados pela cidade, internet, televisão...hoje se come peixe cru em qualquer favela do Rio, mas naqueles tempos era assunto para a nata da sociedade carioca, não para um grupo de moradores de Realengo, acostumados com o ensopadinho de carne seca com repolho da tia Isaura (uma delícia, por sinal). Mas o anfitrião fez um belo banquete para nós. Lembro-me que tomou o cuidado de assar pernis de porcos para nossa família, caso alguém "arregasse" os sushis e sashimis.
Eu comi de tudo. Carne de porco com sashimi, carne de porco com sushi, carne de porco com molho shoyu, carne de porco com gohan, carne de porco com tempurá...foi uma beleza...e está claro que não ficaria bom por muito tempo.

Logo a mistura gastronômica começou a fazer efeito e meu drama passou a ser o de localizar um local aprazível para deixar com que a natureza fizesse seu trabalho de reciclagem. Procura daqui, procura dali, esbarrei com minha prima Lilica, grávida de sei lá quantos meses, que já tinha abortado...não o filho, mas a idéia de entrar no tal "borrateiro". Ela já estava partindo para o matagal mesmo, não sem antes me indicar o caminho da misteriosa e abominável casinha. Acho que ela deve ter-se divertido em me enviar para lá. E eu, menino inocente e puro...fui.

O borrateiro em questão tinha uma peculiaridade. Era uma casinha, que sinceramente não lembro se tinha telhas ou se era a céu aberto, pois não tive como olhar para cima, sob pena de arriscar minha integridade. Mas a parte de baixo... essa era algo como a boca do inferno na terra, cujos detalhes já vou descrever.
Antes quero voltar a afirmar que minha prima "nãosei" Rosa, é um anjo de pessoa. De verdade. Mulher guerreira e batalhadora, que segurou a criação de seus filhos sozinha, após a morte prematura de meu querido primo, esse que na história estava se casando com ela...mas diante dos fatos não há argumentos...e eu estava sozinho no interior do borrateiro, diante de uma experiência única em minha vida.

A estrutura era simples, embora como já disse, não tenha reparado a parte de cima. Tratava-se de um cercado de madeira, com uma porta mambembe, com dobradiças rangendo e um trinco duvidoso. O piso era feito de ripas sobre um "pilotis" de madeira, sob o qual estava a visão infernal. Mais ou menos no centro do piso, havia a falta de uma das ripas. E seria ali, naquela fenda de uns quarenta centímetros de largura, eu iria despejar o que outrora havia sido o almoço da festa. Mas não sem antes observar os detalhes estruturais do engenho (criança é um bicho muito curioso).
Na direção da fenda havia uma tábua inclinada, que descia até mais ou menos metade da altura do "pilotis", no fim dessa tábua, havia uma outra, que descia inclinada no sentido inverso da primeira. Essa segunda tábua ia direto até a morada de Satanás, propriamente dita...a fossa cheia de merda, a imagem do Inferno na Terra.

Para tomar coragem, tentei fazer um xixizinho antes, de modo a observar o funcionamento da coisa. Algumas poucas moscas subiram e a vontade apertou. Arriei o traseiro sobre a fenda e mandei a primeira bomba. Fiquei obsevando o "general" descendo de escorregador na tábua inclinada e mandei o segundo míssil, um almirante a bordo de um cruzador.
Foi interessante observar a corrida entre o general e o almirante. Os dois chegaram praticamente juntos ao final da primeira sessão, mas na segunda o almirante disparou, chegando muito antes no fundo do mundo. Enquanto isso o general ia se arrastando, numa lerdeza irritante. Fiz mais um xixizinho na tábua e venci sua relutância, mandando-o para junto do almirantado e do alto comando militar que havia lá embaixo.

Depois de velho fui entender o funcionamento dessas casinhas. Tratam-se de estruturas itinerantes dentro da propriedade rural, sendo reconstruídas em outro local sempre que a fossa estiver saturada. A vantagem está na adubação natural e gratuita da terra, além da ausência da taxa de esgoto.
Pode ser feio e desconfortável, mas é muito útil.

E voltando ao assunto do escorregador de cocô... criança é um bicho engraçado, e numa hora dessas consegue tirar uma brincadeira e... porque não, uma lição:

"Mesmo entre os merdas... pode haver um vitorioso, não é mesmo?"

Marcos Santos

7 comentários:

Chica disse...

Muito legal tua crônica e divertida...abração,tudo de bom e linda semana,chica

simplesmente curando disse...

Adorei os detalhes da história,muito Cômica,divertida parece que já conheci em algum tempo atrás algo parecido...Um abraço

neo-orkuteiro disse...

Borrateiro, então este é mais um dos vários nomes locais que a referida estrutura arquitetônica leva. Um que eu não conhecia. Valeu.

Graça disse...

Ei, Marcos...

Que delícia de descrição é a sua!

Até sobre um 'borrateiro' vc consegue nos fazer rir, não por causa do lugar infernal, dessa visão contrária ao paraíso(sim, pq esse é triste, e não para se dar risadas dele...rs), mas o seu estilo é que me encanta, sempre!!!

Rsrsrsrs

E é útil mesmo, tb conheci um lugar semelhante, em um sítio de amigos comuns de meu esposo...aff

Grande abraço, grande escritor. Parabéns, te admiro muito.

LC disse...

Layout novo? Adorei.
Foi uma surpresa linda.

beijo de saudade a meus amigos

Lu C.

Bloguinho da Zizi disse...

Casa nova. Tá tudo muito lindo por aqui.
E este post me fez lembrar algo que passsei, humm.... foi de amargar.

Ramosforest.Environment disse...

Os novos Designs dp Blogger estão lindos. Também aderi.
Abraços a todos(as).
Luiz Ramos