No Balcão do Quiosque

sexta-feira, 1 de julho de 2011

O fim...
Será como a gota d´água
a secar impassível ao calor do sol?
Ausência de memórias?
Ou todas elas avalanche a disputar
cada palmo da bruxuleante consciência?
Sou boneco de corda que sonha
sonhar encontrar o criador dos sonhos
Apertar-lhe a mão para sentir se
tudo não passa de um sonho
Ainda que meu coração — esse relógio de pulso
comigo a cada impulsiva batida dos segundos —
seja forte diante dos ecos de tão montanhosa nostalgia,
far-me-á um simplório vapor a deslizar suavemente na dissipação
Sem medo, sem alegria
Se ao fechar meus olhos
Eles se mantiverem abertos
Exaltarei as bodas do silêncio
Com elas sentir-me-ei um corpo oco de existência
Mas pleno de vida atrevid

4 comentários:

Bixudipé disse...

Muito bacana a poesia. Extremamente sagaz a refleção.
"Vira e mexe" me pego procurando o trilho do criador.

Abração.

Lu Cavichioli disse...

A vida é um vapor amigo Soriano. Devemos e precisamos sentir cada gotícula.

Texto instigante (como sempre)... Da reflexão à inspiração. Este é Leandro Soriano

abraços meu querido amigo!

Artes e escritas disse...

Um poema reflexivo, mas, pensando bem, não penso nisso. Um abraço, Yayá.

Evanir disse...

Meu Amigo querido..
Eu sei conheço meus amados seguidores
como também tem uma turminha falando de mim aos cântaros.
Meu amigo a fidelidade e amor que tenho recebido tem me dado forças para continuar vivendo e sobrevivendo as lutas das minhas dores fisica.
Quando a alguma outra coisa qualquer
de desocupadas a muito deixou de incomodar.
Hoje levantei mal posso tocar meus dedos no teclado mais vou fazer visita sim pois coisa que poucos sabem o carinho recebido no meu blog tem me dado um motivo para sorrir e muitas vezes chorar de emoção .
È claro não irei de blog em blog nesse desabafo costumo fazer isso com quem sinto vai entender meus lamentos .
Querido pessoas como você costumo chamar de anjo amigo marca presença parece sentir algo errado comigo.
Com muito carinho desejo um lindo Domingo beijos no seu coração ñ se aflijas ñ te esqueço nunca mesmo meu amigo para sempre...beijos Evanir.