No Balcão do Quiosque

terça-feira, 2 de outubro de 2012

O DESAPEGO.



Porque praticar o desapego é tão difícil?
E amar e sentir saudades é tão tragicamente fácil?

Quando sentimos que nossa existência é real apenas quando estamos sozinhos, ou acreditamos estar dentro de um conto, ou em uma música? E a própria verdade fica escondida atráz de uma cópia exageradamente falsa de nós mesmo.

Não aceitamos a verdade dolorida com realidade e calma. Bem que podeira existir ao  nosso lado aquelas fadinhas que chegam com sua linda varinha e nos transformam naquilo que mais desejamos, ou nos arranque aquilo que dói,  e que os sonhos tornem reais.

O apego não quer ir embora.

Pedi pelo menos ao vento para que não sopre mais o teu perfume nem teu beijo em minha direção.
 E ao tempo que a saudades torne branda a cada dia.


Quando a vida me disse tinha você, não acreditei, mas eu amei!
E quando te perdi, fiquei derrotada,e a realidade sim veio a tona.
Porque?

Mas ainda te amo!


6 comentários:

João Esteves disse...

Uma versão do desapego que nunca me ocorreu antes. Falou bonito, Patty. Quanto ao amor, ele é lindo, sempre. Haver tantas dores de amores já é outro departamento, o das realidades individuais. "Quem passou pela vida em brancas nuvens..." Quem? Talvez ninguém.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Não é nada fácil o desapego.Juro
que não, por muito esforço que
se faça.Gostei deste texto.Bj.
Irene Alves

☆Lu Cavichioli disse...

Oi Patty querida, seja bem vinda a turma dos quiosqueiros e o texto de estréia calou fundo!

Bj grande cara mia!!

✿ chica disse...

Desapego material, por vezes não é fácil, imagina quanto ao amor!! Lindo texto! beijos,chica

Patty disse...

OBRIGADA A TODOS OS LEITORES, AGRADEÇO AO CARINHO DE TODOS, E SUPER CONTENTE PELA CHEGADA DESTE LINDO QUIOSQUE.

BJS NO CORAÇÃO DE TODOS!

PATTY!

INFETO disse...

Eu nao sou apegado a nada, mas quando morrer quero ser enterrado com meus discos, livros e dvds.