No Balcão do Quiosque

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Passa tempo, passa...

Era uma vez... não, duas vezes, quem sabe três, um contador de tempo. Não parava de contar o tempo; a toda hora, a todo minuto, a todo segundo, a todo instante, o seu tempo era todo ocupado por esse que sem dúvida, era seu passatempo predileto. Nada lhe escapava pelos dedos de sua arguta observação temporal. Era muito requisitado; tanto no passado, no presente como também para futuros passatempos. Agenda lotada; não tinha tempo para mais nada. Nem mesmo para terminar este texto. Por isso e por outro isso, pediu um tempo e se "FUI".

4 comentários:

Chica disse...

Lindo,Leandro.E esse danado passa mesmo...Minha agenda lotada de compromissos legais e divertidos daqui da praia, chega ao seu último dia e daí, o tempo passará bem diferente...mas passará igual!!!Passa SEMPRE!abração,tudo de bom,chica

Graça disse...

...nunca, antes na história da humanidade, o mundo e o tempo giraram tão rápido como agora...

...será que estão girando mesmo ou nós estamos girando com eles???...

Boa tarde, Leandro, boa reflexão!

Barbara disse...

Tudo o que vai...volta, Sr Bumerangue.

Lu C. disse...

PARA S7e/5

A Casa de Crônicas do Quiosque, foi criada com o intuito de aproximar escritores que primam por uma boa literatura, livre de conteúdo chulo e desnecessário como este texto baixo calão.

Isso não implica na proibição de textos eróticos. A única diferença é a qualidade.

Seu comentário será excluído pela administração do blog.

Sem mais

Lu Cavichioli