No Balcão do Quiosque

terça-feira, 26 de maio de 2009

Que sabor você prefere?



Depois de ficar quase uma hora na fila de ônibus com os olhos nublados pela garoa e totalmente fustigados por um bêbado que insistia num discurso patético misturando nomes de políticos e artistas numa tentativa de mudar o mundo, ou quem sabe, aliviar sua fome, avisto ao longe a lotação, apinhada de multidões.

Hora do rush. Meu estômago torturado pela fome e fumaça fingia ser apenas mais um figurante no palco das tormentas.
No pulso o relógio avisa que estou atrasada, reviro meus olhos e tento me agarrar ou me escorar em algo para não participar do dançarino e típico chacoalhar do trajeto.

Pra ajudar começa a chover e eu me lembrei que esqueci o guarda-chuva na agência. Meus neurônios agitavam-se numa procissão frenética, pois naquela noite, ainda, eu deveria terminar minha campanha sobre lingerie, rever algumas fotos e meu contrato com a Editora La Femme.

A noite desceu sobre as ruas e eu finalmente consegui chegar ao consultório. Minha consulta era as 19hs e eu cheguei meia hora atrasada. Propagandistas e suas maletas me olhavam com desdém. Decidi então me sentar já que não havia mais nenhuma atração. Foi então que me lembrei dele! Meu fiel companheiro mágico, tradutor das mais loucas viagens que a mente humana pode fazer.
Então relaxei, sentei-me e fiz daquele momento minha particular e genuína alquimia. Abri a bolsa e de lá saiu elegante, faceiro e totalmente insubstituível: um livro! O título sugeria aventuras, amor e mistério.
Eu lia feliz enquanto o chá de cadeira era servido com direito a escolha do sabor.

Por Lu Cavichioli

9 comentários:

RAMOSFOREST.ENVIRONMENT disse...

Uma leitura é sempre aliada nos momentos dificeis.

Madalena Barranco disse...

Lu, querida, um livro quase sempre é a melhor salvação!

Beijos e muito obrigada pelo convite - é uma honra para mim poder ser uma das autoras para ajudar a "sacudir o esqueleto da internet" - rsrsrs. Lu... Meio que juro que tentarei postar, se tiver paciência com a Magdatuga. No entanto, já coloquei o Quiosque (delicioso título) em meu blogroll e acompanharei as postagens dos amigos.

Beijos, Madá

Anne Lieri disse...

Lu,muito legal esse blog!Nada como ter um livro ou um caderninho e uma caneta nas esperas da vida!Muito bom seu texto!Abraços,

Lu Cavichioli disse...

Pois é Luiz, o livro é o amigo de todas as horas.
bj

Lu Cavichioli disse...

Magalinda você veio! Ahh que bom ter você aqui com a gente.
kkkkkkkkkk magdatuga.... só vc mesmo!
Nem se preocupe com a demora da postagem, sempre vai haver alguém no quiosque. Mesmo pq vc, agora, tem a chave!

Bj linda e até breve.

Lu Cavichioli disse...

Anne Lieri que prazer tê-la conosco. Seja bem vinda. Você é nossa primeira leitora, isso é genial.

Obrigada!
Bjs e venha sempre. O quiosque tem uma luminária permanente: A AMIZADE!
ultrabeijos da Lu

♥ Denise BC ♥ disse...

Lu
Eu costumo sempre levar um livro em minha bolsa, chá de cadeira só acompanhado de um bom livro.
Já usei muito essa prática em condução pública, a impaciência de ficar longas horas engarrafada no trânsito foi inúmeras vezes aliviada com a leitura.
Bjs

João Esteves disse...

Uma espera memorável, quando assim descrita.
Aqui, o livro apresentado como debelador de tédio ou ansiedade: outra de suas praticamente incontáveis (e incontestáveis) utilidades.
Vai na sua bolsa sempre um, pra essas ocasiões, aposto.
Ocioso é dizer que gostei, não é, Lu?
Mas claro e evidente que sim.
e por que comento com tamanho atraso? Sei não. Tava assim: Poderá também gostar de, e algumas opções. Cliquei nesta na sorte, pela foto, acho.

Janice Adja disse...

Acabo de conhecer seu blog, mais já estou amando.
Volta amanhã se eu consegui encontra-lo.
Beijos1