No Balcão do Quiosque

sábado, 5 de janeiro de 2013

Pastéis Antigos

Queridos Colaboradores, nesta blogada vou registrar alguns trechos de posts que merecem destaque em todos esses anos de postagem aqui do Quiosque. Fucei e escolhi a meu modo algumas destas jóias que compartilho com vocês e com nossos amigos. Vocês vão ler passagens dos colaboradores antigos, novos e desertores - porque tudo vale a pena quando a alma não é pequena (já dizia Fernando Pessoa). Para quem quiser re(ler) é só clicar no link abaixo de cada trecho. Aproveitem e: BOA LEITURA!
O POETA DOS TIJOLOS

"Meu avô Joaquim esteve aqui. Não como um turista português, em cruzeiro pelo Brasil, mas como pedreiro e construtor de chaminés. Todos já devem ter visto espalhadas por todo o;mundo, chaminés de tijolos maciços, verdadeiras obras de arte, que erguem-se a altitudes de tirar o fôlego..."
(Marcos Santos)
http://vemproquiosque.blogspot.com.br/2011/10/o-poeta-dos-tijolos.html


Do Sublime ao Grotesco em Tetrâmetros e Pentâmetros Anapésticos por Mim Lidos e... Ouvidos

"Anapestos nos versos que faço então vou colocando a meu modo e pra todos os fins lembro aqueles tão lindos, perfeitos, de Poe: “For the moon never beams without bringing me dreams” (1)

Num francês bem do tempo de meu trisavô que aprendi, apesar de não ter quem me ensine lembro aqueles que li no “Dormeur” de Rimbeaud: “Les parfums ne font pas frissoner sa narine” (2)"

  (João Esteves)
http://vemproquiosque.blogspot.com.br/2009/06/do-sublime-ao-grotesco-em-tetrametros-e.html


O CEGO

"Havia um reino onde seus habitantes eram todos tecelões. Não conheciam outra atividade. Teciam vestes do linho abundante cultivado nos campos vastos e generosos. Erguia-se o sol e os tecelões já prontos, fiavam mergulhados em serena e profunda concentração. Suas vestes era o que existia de mais importante em suas vidas. Vestir-se era uma arte; e também uma ciência. Tanto que para cada fase da vida era meticulosamente estudado a tecedura com variações de tramas que se alinhavam adequadamente ao corpo de cada habitante

." (Leandro Soriano)

http://vemproquiosque.blogspot.com.br/2011/01/o-cego.html


NAS MADRUGADAS DO TEMPO


"Acordou com o barulho do vento que dançava entre os galhos ressequidos do bosque e, imaginando o frio que deveria estar fazendo lá fora, enrodilhou-se entre os lençóis, numa tentativa inútil de voltar a dormir. Era madrugada e ela sempre tivera um quezinho pelas madrugadas quando, a casa em silêncio e a cidade semiadormecida, davam-lhe a falsa sensação de que a paz reinava sobre o mundo, sobre os homens. Sem conseguir voltar a dormir, saiu da cama e, apanhando o robe que repousava sobre a poltrona, envolvendo-se em seu aconchego, dirigiu-se até a janela."

(Dulce Costa)

http://vemproquiosque.blogspot.com.br/2011/01/nas-madrugadas-do-tempo.html


ANJO OU IMPERADOR

"O presente que um Anjo pode dar é muito mais que o poder de um Imperador. Um Anjo inspira ideias e sonhos e o Imperador compra estes sonhos.A diferença é que as inspirações dos Anjos não morrem jamais e tudo o que compra o Imperador, fatalmente vira pó.Imagine, para minha curiosidade, o que poderia um Imperador comprar para retribuir-me a amizade? Dou-lhe dois dias para pensar." (Joice Worm)

http://vemproquiosque.blogspot.com/b/post-preview?token=0tkvDTwBAAA.pnOnJPydUAyJhvbkx3X0kA.pQwSIRz89tq8m-UJmpZgWQ&postId=463993114478312046&type=POST



11 DE SETEMBRO
"Naquela manhã acordou reflexiva. Fitou o espelho e aventurou - se em uma exploração facial. Descobriu uma fisionomia diferente, um semblante que a motivava a enfrentar o dia de céu azul e ensolarado. Uma aventura especular, leve sorriso nos lábios, ao mesmo tempo em que ganhavam um colorido vermelho carmim. Acor do batom que escolhera caia muito bem com o vestido que usava, onde o decote emoldurava seu belo colo. Embora pensativa, estava radiante diante das novas possibilidades que figuravam no cenário de sua vida. Mudanças rápidas e positivas estavam prestes a ocorrer que a deixavam segura e esperançosa."

(Rosemari)

http://vemproquiosque.blogspot.com.br/2009/08/11-de-setembro.html


UM PASSEIO PELAS LETRAS AO LIMITE NORTE DE SÃO PAULO
"Na avenida que deixa o trânsito da cidade para trás e sobe a serra da Cantareira há de tudo um pouco, como acontece em quase toda parte de São Paulo. A Av. Nova Cantareira principia na região alta de Santana onde é o ápice de toda sua urbanidade e a partir daí é alimentada por várias artérias de asfalto. Por esses caminhos ou “provincias colganderas” (recantos de altos e baixos), assim como dizia meu avô espanhol, acostumado às terras planas da Catalunha, há muitas pessoas que se dirigem para a “cidade” (centro de SP) ou em sua direção oposta almejando a serra."
(Madalena Barranco)

http://vemproquiosque.blogspot.com.br/2009/07/um-passeio-pelas-letras-ao-limite-norte.html


OLHARES E RIMAS PERIGOSAS
Naquele prédio, de tudo acontecia... Dona Marina, tinha diversão garantida a na janela do prédio à frente, tuuuuuuuudo via!!! Lá podia ver a D.Julieta, que não sabia mais fazer careta.Estava séria, ensimesmada. Uma "porreta"! Seu Pedroca, nunca mais lá da janela lhe acenara. Estava preocupado em brincar de mocinho ...Mas já nem mais sabia o que era uma ....bota! AH! Dona Clarimunda! rs Essa, nunca mais teve a mesma .....alegria! Tinha a Dona Tereca que de longe, ao banhar-se podia dali ver toda a........ meleca que fazia. Tinha seu Pinto que tocava violão, cantando com sua voz bem fininha... Dona Marina que de lá tudo via, apenas sorria... Ah! Que saudades dele ela sentia!
(Chica)
http://vemproquiosque.blogspot.com.br/2012/09/olhares-e-rimas-perigosas.html

MEDO

"Meu filho Lucas diz que tem medo do escuro e prefere que deixe as luzes acessas do banheiro, para iluminar um pouco o quarto. Todos temos medo de alguma coisa, mas quando somos crianças confessamos aquilo que nos dá medo.Adultos tem medo e com o tempo o medo é classificado por psicólogos e psiquiatras. Adulto que tem muito medo, precisa se medicar. E essa grande verdade nos faz ter medo de confessar o que nos amedronta. Para todos os tipos de medo, uma terapia, uma solução farmacológica e não acredito que isso funcione.Antigamente tudo era mais simples, pois nem tudo era uma nova forma de doença. O medo faz parte da pessoa. Não falo no medo que te tranca em casa e te afasta do convívio social, mas o puro medo, simples.Eu tenho medo do escuro também, não gosto da escuridão... Algumas vezes perco o ar olhando o nada do escuro.Tenho medo de dirigir." Letícia Losekan
http://vemproquiosque.blogspot.com.br/2011/01/medo.html

ELA, A GOTA
"...linda e transparente, a nobre e pequena gota reluzia na folha verde da relva. Desde a última estiagem que ela estava assim, sobranceira, cintilante, mas só e infeliz. Tremeluzente, bailava na verde folha ao ritmo suave do vento. Ela, a gota, sabia por natureza que os céus podiam enviar à terra repentina tempestade de milhões de outras gotas, e aí sim, teria de juntar-se a elas, fundir-se, desfazer-se, desmanchar. Transcender generosamente para dar lugar à Grande Gota, infinitamente maior do que ela!!! Bailarina, não se considerava feliz. Faltavam-lhe vigor e energia."

(Maria das Graças Lacerda)

http://vemproquiosque.blogspot.com.br/2010/02/ela-gota.html


O PROJETO

Porto Alegre, verão 2010/2011 "Poderia ser em qualquer lugar da cidade, não seria nem mesmo necessário que fosse em Porto Alegre, qualquer cidadezinha de beira de estrada serviria ou, resumindo, que fosse em qualquer canto do mundo. O importante é que fosse só meu. O espaço interno poderia ser qualquer coisa mediana, razoável, cinco por cinco, três por três, tanto faz, por ínfimo que fosse, o tamanho, sinceramente, não me importaria, não me importaria nem um pouco. O importante é que eu coubesse dentro. E a decoração? Bem, decoração seria totalmente dispensável, não que eu não goste de papéis de parede, pinturas abstratas ou figurativas, plantas e bibelôs, é, digamos que de plantas e bibelôs eu, realmente, não goste, mas a questão não é essa, o que quero deixar claro aqui é que pouco me importaria se fossem paredes sem reboco, piso de chão batido e telhado de zinco, não quero saber, a estética do ambiente é a última coisa que me preocupa. O importante é que eu me sentisse bem."
(Léo Santos)
http://vemproquiosque.blogspot.com.br/2011/01/o-projeto.html

RELATIVIDADE

"O tempo escorre lentamente do relógio, em tiquetaques preguiçosos e vadios. É o velho demônio irritante, tirando do saco de minha vida, já meio murcho, uma moeda a cada tique e atirando-a no saco sem fundo da eternidade a cada taque. E ele faz isso sorrindo, sarcástico, para mim. Uma de menos... uma de menos... uma de menos... vai ele desfiando a ladainha dos segundos que se perdem sem resgate. Mas hoje, demônio velho, não cairei nesse truque psicológico barato. Não ligarei a TV, não lerei livros ou jornais, não telefonarei para ninguém. Porque sei que ela, a minha amada, está vindo."
(RR Barcellos)

http://vemproquiosque.blogspot.com.br/2011/11/relatividade.html

SOBRE O AMOR QUE NUNCA MORRE
"ADORANDO ESSE PAPO DE PASTEL REQUENTADO (ENQUANTO SE PREPARA A MASSA PARA PASTEL NOVINHO)... COPIADO E COLADO LÁ NUMA INQUIETUDE PASSADA, SEM MAQUIAR VÍRGULA QUE SEJA. POR QUE HOJE, E TODOS OS AMANHÃS É DIA DE SE AMAR O AMIGO. AMÉM! A amizade é o amor que nunca morre, quintaneou o Mário para absoluto deleite dos crédulos e sensíveis, pertinazes na arte de imergir nesse sentimento de intensidade ímpar. Sou Amigos Esporte Clube, sim senhor! Amo as suas minúcias e no transcorrer do meu caminho desejo sorver, apenas pelo tempo de uma vida, os seus inúmeros sabores até a última gotícula. Desconheceria a mim mesma tentando usar outro tipo de máscara."

  (Milene Lima)
http://vemproquiosque.blogspot.com.br/2012/07/sobre-o-amor-que-nunca-morre.html

CHUVA FININHA NA MANHÃ DE SÁBADO

"É... nunca estamos satisfeitos com nada... reclamamos da seca que se arrastava há meses, da poeira que voava pelo ar, infiltrando-se casa adentro, descansando sobre a mobília e os tapetes... reclamamos das plantas sequinhas no jardim, as folhas começando a enrugar, secar, cair. Da água da mina começando a ser racionada. Sábado: acordo de madrugada, com o abençoado barulhinho de chuva no telhado. Aconchego-me ao meu travesseiro, agradecendo a Deus pela chuva que cai. Fecho os olhos para dormir mais um pouquinho, antes de começar as tarefas do dia. Sim, porque as minhas tarefas não descansam no sábado, e as donas de casa bem o sabem, nem mesmo no sétimo dia!"

(Ana Bailune)
http://vemproquiosque.blogspot.com.br/2012/09/chuva-fininha-na-manha-de-sabado.html

O DESAPEGO
"Porque praticar o desapego é tão difícil? E amar e sentir saudades é tão tragicamente fácil? Quando sentimos que nossa existência é real apenas quando estamos sozinhos, ou acreditamos estar dentro de um conto, ou em uma música? E a própria verdade fica escondida atráz de uma cópia exageradamente falsa de nós mesmo. Não aceitamos a verdade dolorida com realidade e calma. Bem que podeira existir ao nosso lado aquelas fadinhas que chegam com sua linda varinha e nos transformam naquilo que mais desejamos, ou nos arranque aquilo que dói, e que os sonhos tornem reais."

(Patty)
http://vemproquiosque.blogspot.com.br/2012/10/o-desapego.html


ERA ASSIM!
"Era assim... Quando os seus olhos se encontravam numa dança de conquista, sentiam uma parada na órbita da terra, tudo parecia suspenso, seus corações levitam e quase saiam pelas bocas... Devagar, quase flutuando encostava o corpo dela no dele e podia sentir o calor de ambos tão fogoso e vivo quanto uma labareda... Enxergavam-se além do rosto, dos olhos e chegavam à alma. Ele beijava-lhe a boca como um beija-flor faminto, traçando trilhas molhadas, fazendo percursos inéditos e num rompante deixava que tudo desaguasse no ápice... Os beijos iam além dos lábios, do céu, da flor e da última barreira levantada."

(Marly Bastos)
http://vemproquiosque.blogspot.com.br/2012/10/era-assim.html


É PRECISO FLORIR
A vida me permitia ficar. Era tudo muito simples porque eu podia ver tudo quanto eu quisesse, fosse dia ou noite, e isso fazia de mim expectador universal em longa viagem dentro de algum espiral metálico que cuspisse fogo pelas ventas. Eu esperava ansiosa pelas águas de março e os ventos de setembro redescobrindo a vida e a morte ao meu redor. Justamente porque eu estava em constante movimento e as mudanças eram crayons que me desenhavam no panorama artístico de um pintor imaginário. Talvez ele vivesse no alto da serra, cortando lenha e colhendo aromas de florestas na tentativa de perfumar meu coração altaneiro e fugaz. Lembro-me da estatura varonil dos folículos e pedúnculos raquíticos que nasciam no beiral da estrada, lá pelas bandas da ponte, onde o ar era altamente castigado pelo abraço ofegante dos gases maléficos que invadiam as narinas da atmosfera. De quando em vez eu sonhava com as montanhas que, arrogantes ,gesticulavam rostos no ocaso abrindo as cortinas da lua para então eu repousar e me tornar um gigante imantado no marinho do azul.

(Lu Cavichioli)

http://vemproquiosque.blogspot.com.br/2012/10/e-preciso-florir.html


15 comentários:

✿ chica disse...

Puxa,Lu! Que trabalheira tiveste pra nos trazer essa fornada, recheada de amizade e carinho. Um pastel de cada sabor... Legal! Adorei e só posso agradecer! beijos pra todos os pasteleiros e amigos! chica

R. R. Barcellos disse...

Ah, mas vou me empanturrar de pastéis! Que beleza! Depois eu volto de barriga cheia e lambendo os beiços - que lamber os lábios é para caviar, e eu prefiro esses pastéis!

Beijos!

☆Lu Cavichioli disse...

Oi Chica e RR, deu trabalho mesmo kkkk, mas valeu a pena garimpar os textos e rememorar as pessoas.

Obrigada por compartilharem.

baci

Lu C.

Marcos Santos disse...

Lu está se transformando em editora. Gostei da ideia. Valeu Lu!

☆Lu Cavichioli disse...

Gostou Marcos? rssss que bom!
Achei bacana começar o ano revivendo bons momentos aqui do Quiosque.

Não foi nada fácil editar kkkk, mas valeu super a pena!

Obrigada, meu braço direito , que segurou tantas barras minhas aqui, tantas idas e vindas...
Bora lá fritar pastéis!!
:)

MARILENE disse...

Só posso dizer que adorei porque muitos desses textos não havia lido. Você escolheu com sensibilidade e competência. Retrospectivas deveriam ser sempre assim, cheias de beleza. Bjs.

João Esteves disse...

Que interessante e agradável, Lu, rever o próprio conteúdo do nosso Quiosque nessa sua retrospectiva que trouxe de volta inclusive colegas de Quiosque cuja participação ativa no blog já cessou. Saudades, sempre.
Obrigadíssimo.

☆Lu Cavichioli disse...

Mari, fico feliz que tenha vindo e gostado da blogada. Olha foi uma idéia relâmpago e decidi na hora "editar" rsrs, como disse o Marcos!

Obrigada em compartilhar!
bj

☆Lu Cavichioli disse...

Verdade, João. Ficou muito gostoso re(ver) alguns textos e re(lembrar) colaboradores que abrilhantaram de forma única nosso Quiosque. E além disso colocar a baila aqueles que integram minha troupe de artistas, né não?

Beijão meu querido amigo!

Lu

Maria das Graças Lacerda disse...

Trabalhos desse "naipe" sempre valem a pena, sim, amiga!
Que bom rever e reler todos (inclusive os que ainda não havia lido aqui!) e notar um pouquinho de saudade do que não realizei: escrever para o seu/nosso Quiosque.
Amei sua ideia e mais, sua decisão de colocar a mão no arado...rs
Estou de acordo com todos os nossos queridos amigos que comentaram.
Obrigada pela lembrança, por me avisar desta fantástica blogada.
Beijos meus,
e até breve!

Patty disse...

LU MINHA QUERIDA QUE DELICIA LER TODOS ESSES POEMAS, E FIQUEI MEGA HONRRADA EM LER O MEU ALI, TAO SIMPLISINHO PERTO DE TANTOS PROFUNDOS E LINDOS,MAS E LEGAL TBM.

ADORO SEMPRE PASSAR POR AQUI, BJS!

☆Lu Cavichioli disse...

Oi Gracinha. bom que vieste. Já estava notando um "tremor na força" sem vc kkkk.

Por falar em arado, seara das boas esta né não? rsrs

baci

☆Lu Cavichioli disse...

Patty, lindeza o Quiosque é democrático e sem preconceitos.

Se vc está aqui é porque vale a pena e seu texto transborda sentimentos e verdades.

mile baci cara mia!!

#*Marly Bastos*# disse...

Eita que ficou linda essa postagem Lu. Deu pra ler todo mundo um pouquinho e gostei demais da ideia.Que bom que estou entre os comedores de pasteis tão gostosos e alimenta a gente com histórias e risos.
Ando ausente pois estou ficando a semana quase toda com minha mãe que anda meio carente e por lá ainda estamos na "Era Analógica"!Net nem pensar, no máximo dá pra ler as postagens pelo celular, mas comentar é inviável, mas ando costurando bastante,uma atividade que me acalma e ainda fico no colo da mamy. Bom né?
Sempre que der estarei por aqui lendo.
Bjks doces e mais uma vez parabéns a todos quiosqueiros e a você que é uma flor nesse jardim.

Ana Bailune disse...

Bacana, Lu! Precisamos dar uma sacudida neste espaço, que é tão legal!