No Balcão do Quiosque

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Negócio de morte

_Bom dia.

_Bom dia, senhor. Em que posso ajudá-lo?

_Bem, eu gostaria de fazer um orçamento do plano de morte que vocês tem a oferecer.

_Ah, sim, claro. O senhor já conhece nosso serviço?

_Na verdade não. Um amigo_que Deus o tenha_ antes de partir falou-me a respeito de forma superficial. Parecia muito animado. Pela forma como morreu, havia um quê de felicidade estampado em seu rosto. Acho que lhe valeu o investimento.

_Pois bem. Ammm... temos o plano de morte à vista, com desconto. Nesse plano o senhor morre no ato do pagamento. É rápido e sem burocracias; temos a seguir a morte em suaves prestações: o senhor dá uma entrada e vai morrendo aos poucos de forma a não lhe pesar na consciência o investimento efetuado. Nesse caso, como o senhor evidentemente pode compreender, o não pagamento de uma prestação, automaticamente suspende o processo de morte e o senhor ficará em estado vegetativo consciente controlado, até o pagamento da próxima fatura acrescido de um pequeno juros de praxe.

_Temos também planos mais econômicos como por exemplo o nosso PMT - Plano Morte Temporária: nele o senhor desfruta de um coma induzido que lhe dá uma sensação peculiar de uma , digamos assim... morte temporária. Muitos de nossos clientes ao retornarem_e eles retornam pois senão serão os familiares que assumirão os custos complementares... hum hum_ nos dão testemunhos interessantíssimos de satisfação.

_Diga-me uma coisa: há algum caso onde o cliente ávido por morrer, depois de efetuada a morte, por algum motivo alheio ao estabelecido, tenha retornado e conscientemente relatado o ocorrido no pós morte?

_Olha, isso é meio raro. Em nossos registros há somente dois casos semelhantes: primeiro foi uma senhora de 63 anos que pesava cerca de 112 kgs. Ela pagou à vista e teve morte instantânea_assim parecia que tivesse sido. Após a conclusão dos procedimentos, enquanto a equipe já se preparava para ir embora, os sinais vitais voltaram e ela, totalmente frustrada, retornou.

_ E, nesses casos, há o reembolso pelo fato da morte não se consumar?

_Senhor, nosso contrato prevê em seu parágrafo 87, cláusula 21, que o cliente nesses casos não será reembolsado por enquadrar-se em um episódio imponderável que somente quem determina quem morre ou quem viva é que pode lhe responder.

_Quer dizer que nesses casos o que realmente morre é o dinheiro pago.

_Sim senhor.

_Ok, obrigado. Vou fazer o plano à vista.

_Muito bem. Queira assinar aqui... aqui e aqui e mais aqui por favor.

_Posso fazer um telefonema para minha esposa antes?

_Claro. Fique à vontade. Já retornamos para executar os procedimentos.

_Amor, tudo bem? Ó, estou aqui na sala dos procedimentos. Você vai vir me assistir na partida com as crianças?

_Não vai dar amor. Estou indo ao shopping com a Elisa.

_Ah, tá. Então... boas compras e, se a gente não se ver mais, não esquece de acertar o meu blazer preto que deixei na lavanderia.

_Tá bom querido... boa morte... tchau.

_Então, o sr. está pronto?_Sim.

_O sr. quer dizer algo pra ficar gravado antes de ir?

_Humm... deixa eu ver... Sim.

_Pode começar, está gravando.

_ Aos que me ouvem, gostaria de dizer que enquanto estive vivo eu deixei marcas que... que...

_Olha, por favor, estou sem inspiração. Não sei o que dizer.

_Tudo bem. Se o sr. quiser, temos alguns textos prontos produzidos com a opção de música de funto, desculpe-me, de fundo, acompanhando. O preço é o mesmo.

_É... humm... essa aqui, a número 29.

Eram 20h45 quando o serviço executado, o foi com o sucesso do profissionalismo de sempre. Como teste, podia-se ouvir a mensagem número 29 tocando ao fundo o tema de abertura de Zorro de Walt Disney.

Não há motivos para tristeza. Não é exatamente medo da morte, mas do momento em que ela ocorre; e isso é único, impagável. Não custará barato estar vivo quando isso acontecer.

4 comentários:

Chica disse...

Genial tua inspiração! Até pra morrer temos que estar nos preocupando,não? E até com música de fundo?rsrsrs...Ótima crônica! abraços,chica

Ramosforest.Environment disse...

Ótimo o seu texto.
Luiz Ramos

neo-orkuteiro disse...

Leandro, seu texto é de fina ironia.
Convida a fazer, além da corriqueira reflexão sobre a morte em si, mais outra sobre as opções de pagamento para a morte. Até pelo insólito da proposição, é interessante.
Ao colega de Quiosque, um forte abraço.

Lu Cavichioli disse...

rsrsrs... ai ai Soriano, você é impagável no quesito bom humor seguido de um sarcasmo hilário. Sua crônica é muito inteligente e a medida que vamos lendo, vamos sentindo aquela mórbida sensação de que estamos nessa fila, (com plano ou sem plano de pagamento).

Aplausos pra ti!
Bijão