No Balcão do Quiosque

sexta-feira, 19 de junho de 2009

No Quiosque

Aceitei há tempo o amável convite que me fora feito pela nossa querida Lu para vir cá, participar do seu Quiosque.

Feito o convite, aceitei-o imediatamente, porém desde aquele então só vinha comparecendo à Martinho da Vila, bem devagar, devagarinho, mas só nas qualidades de leitor e de comentarista, e nem assim dos mais assíduos. Fiquei até meio vexado quanto a esta ausência, saibam. Desse jeito, posei sem querer de aluno gazeteiro. O crescente leitorado deste blog até já pode ter dado por minha falta. Além disso, já adquiriu o direito de legitimamente me cobrar pela desconfortável situação de ser um quiosqueiro que nunca aparece com nada autoral. (A ser assim, pra quê meu nome constar na "chamada", bem poderiam me dizer). Se gentilmente este leitorado declinlou de exercer o referido direito, deve ter sido por pura sorte minha, ou então por mera coincidência. De qualquer forma, isto me poupou de dar pela sei lá quantésima vez aquela clássica e chata explicação de que "ando muito sem tempo ultimamente", a que, apesar de séria e verdadeira, tenho recorrido tanta vez - e em tanto lugar - que já nem sei mais. E assim não dá.

Será que toda essa turma que aqui comparece com exemplar regularidade tem tempo sobrado? Duvideodó! Tempo hoje em dia está artigo de luxo, que anda realmente escasso como nunca pra quase todo mundo, ao que me parece. Pelo menos, é o que venho ouvindo por aí de muita, mas muita gente mesmo (possivelmente tão séria e tão verdadeira) para muita, mas muita mancada de comparecimento. E nem mesmo de conforto isto me serve. Fazer o quê? O negócio então é aprender a administrar melhor o tempo, é acelerar o ritmo pra tudo, é engatar nova marcha, senão ...

Meu nome documental é João Batista Esteves Alves. Poderia assinar-me Neo-Quiosqueiro aqui, pois é como Neo-Orkuteiro, Neo-Multipleiro ou Neo-[qualquer cois]eiro, que habitualmente me identifico pela blogosfera a fora. Mas é com meu nome "de guerra" do Blogspot que hoje respondo a chamada:

- Neo-Orkuteiro?
- Presente!

Foi no falecido Globo Onliners que conheci a Lu (e outros colegas de Quiosque).
Lá, eu escrevia Veleidades. O blog já estava bem pertinho de fechar dez mil acessos quando ... bem, todo mundo sabe, não é? Ele era só coisa de uns dez dias mais novo que o Bonde Andando, meu primeiro blog Blogspot. Hoje são quatro, pois com o tempo inaugurei também o Lexicografia, o Me and My English e o En Français Aussi, Pourquoi Pas?. No agregado, só agora que estes quatro estão com aproximadamente tres mil acessos. Vai nisso uma bela diferença quantitativa de visitas, em comparação com o meu saudoso Veleidades, que agora já está morto e enterrado. Suas estatísticas (bem como suas unhas, certo, Lu?) não vão nunca mais crescer.

Mas blogar aqui no Blogspot também é bem legal. Muitos dos amiGOs que debandaram naquela diáspora vieram parar aqui, o que acabou por aumentar o movimento de visitas ao meu Bonde. Aliás, ele está concorrendo ao Prêmio Top Blog. O selo já está lá, seja o que for que isto signifique. Visibilidade? Prestígio? Só uma brincadeirinha? Tanto faz. Como sempre diz outra ex-GO que reencontrei aqui no Blogspot, a Vanessa, acho válido!

Caros leitores, representa um grande prazer pra mim estar neste Quiosque de que tanto gosto, criado pela Lu Cavichioli, de quem tanto gosto, e onde sempre encontro uma boa variedade temática, estilística e todos os bons etcéteras. Gosto tanto de tudo isso!

5 comentários:

Chica disse...

Estou feliz em te conhecer.Sou nova(apenas nos blogs,de idade, véinha,rsrssr) e por isso ainda não te conhecia. Quanto à questão de tempo, na maioria das vezes o arrumamos quando queremos. Pelo menos comigo é assim.Para as coisas que não gosto, vou adiando, e deixando pra lá e para as outras, arrumo um tempinho. A questão é administrá-lo bem! E aí é que entra o problema,não? Tua experiência é enorme e vou estar aqui esperando pra te ler então!abração,chica

Anne Lieri disse...

Parabéns pelo seu texto e por fazer parte dessa maravilhosa equipe do Quiosque!Espero ve-lo mais vezes por aqui,embora compreenda sua correria...rsss...abraços,

Lu Cavichioli disse...

Oi João, valeu a pena esperar para ler tua genial palavra escrita.

Com tempo ou sem tempo, você dedicou-se a escrever, e isso não tem preço. Como disse nossa mais nova aquisição - a Chica - quando a gente QUER a gente consegue. Existe a questão GOSTAR, também que facilita, mesmo sem tempo. Porque todos aqui, temos nossos compromissos não é?

Então tá Sr. Neo- quiosqueiro taí sua crônica de estréia: Mistura Fina!

Obrigada pelas palavras e por fazer parte de nossa equipe.
Grande beijo!

Rosemari disse...

João

Sua escrita informal revela você por inteiro.
Uma cronica escrita de sua própria vida de blogueiro. E o faz com tanta elegância e ao mesmo tempo tanto desprendimento que duvide-o-do que alguém não leu em uma só respirada.
Ler você é assim, enriquecer-se com vocábulos exóticos e ao mesmo tempo divertir-se com seu jeito corriqueiro de ser.

beijão quiosqueiro.

Leandro soriano disse...

Quem diria, virtual advém de "virtus" ou virtude... aqui estamos todos "neo-virtuais". Boas amizades nascem assim.

Abraços
Leandro Soriano