No Balcão do Quiosque

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Celular

-...Vai pegar o que?
Olha Beltrano, eu arrendei o buteco pro Cicrano por mil conto por mês, mas tudo o que tá lá é meu.


- bzblbzbzbzl bzbzlbbz bzbzlbbl...


- Não meu irmão, eu sô teu amigo, mas se você pegá qualquer coisa de lá, vai tá tirando de mim."


- bzbbbzbzzl bzzbbllzbzbz bbbbz bblz...


- Não, eu não quero teu prejuízo, mas eu arrendei o buteco com tudo dentro. Ele não tem nada lá. Se tá te oferecendo e você pegá, vou dá parte de você na delegacia. Tudo o que tá lá dentro é meu. As geladeira, o fogão, as estufa...tudo é meu. Ele não pode te oferecê nada.


- bz bzbz bbzb bzbzbzzbbz, bzbz!...


- Irmãozinho, dá teu jeito de recebê, mas sem pegá nada meu.


- Bzzznnznzznnnfdsm zmzmmsmsmzmz...


- Então vão fazê o seguinte: Eu tô ino pra Bangú agora. A gente se encontra lá pra cunversá.


- bzbbzjcj bbzbz...


- Tá tranquilo, a gente se fala quando eu chegá.


- bbzbzl...


- Outro.

Essa história não tem nada a haver comigo. Aliás, eu nem precisaria saber dela. 
Na verdade eu não queria conhecer essa história, mas eu conheço.
O resumo é óbvio e simples de deduzir.
Então vamos lá:
Um sujeito alugou ou arrendou um bar por uma mensalidade de R$1.000,00 para o Cicrano, alegando que Cicrano tinha feito um excelente negócio e que ganharia no mínimo R$ 15.000,00 por mês no estabelecimento.


Cicrano por sua vez, além de não ganhar dinheiro com o pé sujo arrendado, não consegue pagar nem as contas, nem seus fornecedores. O único que recebe R$ 1.000,00 por mês é o "Mala do Senhorio" que lhe fez o arrendamento da espelunca.


Já Beltrano, é um desses fornecedores que sofrem com a inadimplência de Cicrano e está tentando receber algo, mesmo que seja uma geladeira velha e cheia de baratas.


Quanto ao "Mala do Senhorio"?
É o camarada que gritava ao celular com Beltrano, enquanto eu aguardava na fila do banco.


Marcos Santos

4 comentários:

Milene Lima disse...

Quantos "Malas do Senhorio" existem por aí, heim? Imagino o quanto desconfortante é pra alguém com o mínimo de ética e dignidade ouvir uma coisa tosca dessas sem querer, sei lá, pelo menos gritar em repúdio.

Eita!!!

Gosto muito de tuas histórias.
Abraços.

R. R. Barcellos disse...

- É... quando é linha cruzada, dá pra gente desligar, mas numa fila de banco não dá nem pra sair de perto.
- Uma crônica diferente, concisa e cheia de conteúdo... até o "blzzbzz" tem um significado que o leitor mais atento pode adivinhar. Parabéns!

Regiane "Carrie" Alencar disse...

Mas ouvir essa ainda é melhor do q ouvir uma menina berrando no celular (em viva-voz), para o namorado, com voz de criança, falando q "compou memédio pá ele e vai lá cuidá dele q tá dodói".
Aff...

Lu Cavichioli disse...

Este é o Marcos, sempre trazendo fragmentos cotidianos,quer seja em imagens ou "cronicando".

Como disse o RR, o "bzzbbzzz", como pano de fundo só acrescentou e aguçou as entrelinhas.

MUito bom, meu amigo! Vc é show!

beijo